19.10.09

Amor, filmes e algumas considerações.


Amor. Cada um vê de um jeito, sente de outro, recebe de maneira diferente. E por conta disso, se a gente quiser, dá para classificar o amor em gêneros. Que nem de filme, sabe? Daí, se a gente analisar o sentimento por esse ângulo. Bom, acho que a vida amorosa fica meio parecida com uma Blockbuster


Ok. Se isso soou muito estranho para você, eu explico. Veja se você entende qual é a dessa teoria que suponho não ser inédita. Mas, que ainda não foi discutida por aqui.

Quando a gente entra na locadora, geralmente é guiado por plaquinhas nas prateleiras, certo? E vai se esgueirando pelos corredores cheios de títulos até encontrar o gênero desejado. Comédia, romance, aventura, terror, enfim, é filme para todos os gostos e desejos. A não ser que a locadora que você costuma ir seja uma daquelas bem “meia-boca”. Assim, como os lugares que você frequenta no intuito de encontrar um amor. Aí a variação é bem menor. E a chance de escolher algo bom também.


Supondo que sua locadora amorosa tenha uma variedade grande. Qual dos gêneros abaixo você costuma escolher mais?

Aventura
Quem escolhe esse gênero, de certo quer sentir alguma emoção mais eletrizante. Esse vem recheado de escapadas rápidas no horário de almoço. Encontros furtivos no meio da madrugada. Lugares exóticos ou pouco frequentados. É aquele tipo de “romancezinho” ou paixão súbita que enlouquece sua cabeça. Tira você da zona de conforto e bagunça sua vida. E geralmente vem com o extra ‘perigo’. Muito apreciado por amantes e pessoas que por algum motivo precisam manter  a relação em segredo. Ou até mesmo por quem não está muito afim de compromisso. De qualquer maneira, uma boa aventura é sempre saudável. Mas, no final das contas essa falta de rotina que o gênero proporciona, acaba por cansar. Principalmente, porque uma das partes sempre começa a desejar certa estabilidade emocional.

Suspense
Tem gente que gosta de viver sempre na expectativa de ser surpreendido, não é? E aqueles que estão sempre prontos para levar um susto. Ou mesmo, para ser pego em uma rua escura por um assassino de corações indefesos. É o tipo de pessoa que se torna amante desse gênero. Batimentos cardíacos acelerados, suor frio, medo e arrepios fazem parte desse enredo. Aqueles que não gostam de jogo gato-rato geralmente ficam longe desse tipo de relação.

Terror
Aqui, uma extensão do suspense, mas muito mais apavorante. São histórias de amor que geralmente começam bonitas.  Mas que com o tempo, vão exigindo muita coragem para serem levadas em frente. São aquelas relações abusivas, em que a falta de amor-próprio predomina. Alguém sempre sai muito machucado. E o culpado nem sempre é “punido”. Além disso, ele (o culpado pelo coração partido) quase sempre sai por aí aterrorizando mais pessoas. Tipo Serial Killer mesmo, sabe. Os corações sensíveis são os que mais sofrem com esse gênero. Esse machuca até quem assiste.

Cult
Conversas infindáveis sobre os conceitos abordados em filmes e músicas. Programas alternativos. Intelectualidade à flor da pele. Esse é um dos gêneros menos apreciados pela maioria. Afinal, requer muito mais conteúdo do que o contato físico em si. E, geralmente as pessoas estão mais interessadas em pegar umas as outras do que propriamente passar a noite em um bate papo cabeça. Os geeks e nerds podem se identificar. Eu, particularmente acho esse gênero interessante, mas, desde que devidamente balanceado entre o “conversa-pega”.

Drama
Ah, o bom e velho drama. Tá aí um dos mais assistidos (vividos, no caso). Tem gente especializada nesse tipo de história. Lágrimas excessivas, arroubos sentimentais, trilha depressiva e corações magoados. Esse é o recheio perfeito para o relacionamento de quem não consegue passar muito tempo longe do sofrimento. Um gênero assim, nem sempre tem um final feliz. Na verdade, quanto mais triste o final, mais a história é vista como bela. Desse, eu passo muito bem sem.

Comédia
Muito diferente do drama, esse é só alegria. Até demais. Levar tudo muito na brincadeira pode ser extremamente desagradável. Principalmente quando alguém quer discutir a relação. Problemas constantemente tratados de forma displicente, tendência a disfarçar a tristeza com uma falsa alegria e uma luta constante para manter uma conversa séria, são as características mais chatas desse tipo de relação. Pode até ser divertido no começo, mas, se não tem uma boa direção, pode acabar com a indicação para  um Framboesa de Ouro. Ou seja, um pé na bunda.

Romance
Água com açúcar, contos de fadas e “felizes para sempre” são traços marcantes aqui. E esse talvez seja o gênero mais requisitado pelas mulheres. A gente olha aquele resumo bonito, gosta da foto na capa e pronto, escreve logo uma história linda e longa de amor na cabeça. Esse é perigoso. Cria ilusões e tende a afastar as pessoas da realidade. Mas, em contrapartida faz bem para o coração. E de vez em quando, por que não? Só não vale ficar frustrado quando descobre que o romance real está bem distante daquele dos sonhos.

Comédia romântica
 Meu gênero favorito. Uma história de amor, com pitadas de humor e um toque de sensualidade. Perfeito. Diferente do romance água com açúcar, esse aqui tem mais foco na vida real. E por isso mesmo é o mais saudável. Viver um romance é o que quase todo mundo deseja e se ele vem acompanhado do bom senso, melhor ainda, certo? Recomendo.

Bom, é isso aí gente. Foi viagem demais? Espero ter retorno de vocês a respeito. Ah, e por falar em retorno, tem muita gente bacana mandando cumprimentos pelo Orkut, Twitter e e-mail. Acho isso muito legal. Qualquer retorno para mim é válido, viu. Desde já, agradeço todos aqueles que têm a paciência para preencher o dados para comentar.  E também a todos que de uma maneira geral, dão um jeitinho de me dizer o que acharam.



14 comentários:

Kleiton Borges disse...

Criativo. Gostei. Agora é só ter coragem pra entrar na locadora. Como na vida real, há um certo risco de errar (ou acertar) na escolha do filme. Mas é impossível deixar de vê-los. Isso é fato. Ou quem sabe, talvez seja mais importante acertar o companheiro de platéia. Sendo bom, pode ajudar muito na hora de "viver" (ou assitir) a um bom gêneto cinematográfico.
"O cinema é um modo divino de contar a vida." (Federico Fellini)
Muito bom Gabriela. Mais uma vez: Parabéns! bjs

Lilian Gracioli disse...

Parabéns amiga. Um dos seus melhores textos. Me identifiquei bastante e se você viajou, fui sua completa tripulante.
Obrigada por nos presentear com seus textos. Assim que eu tiver um tempo, postarei os meus também. Sempre dou uma passadinha no seu Blog.
Beijão

Li

Silvia Gonçalves disse...

Eita Gabi...

Vc viajou legal neste post heim... que inspiração..r.srs.

Enquanto lia eu tentava me encontrar em algum destes gêneros... mas percebi que não consegui em nenhum específico.. mas sim em todos...

Acho que de uma certa forma, todo mundo um dia vive uma história de cada descrita neste post.. e é por isto que temos dificuldades de nos achar...

A preferência, claro Comédia romântica.. mas os romances,... fora as ilusões, são tão lindos....

Espero que o meu seja um mix dos dois...

;)

Bjos pra vc!!!

Rafael disse...

Faltaram:
pornográficos
clássicos
animes
documentários
ficção científica
e chanchada!
hehehe

Gabriela Silva disse...

Kleiton,

Com certeza a parceria é muito importante. E, entrar na locadora não tem que ser um problema, viu?! rs

Li,

Obrigada! Fico feliz que tenha viajado nessa comigo. hehehe

Sil,

Como eu disse, minha preferência é a Comédia Romântica, mas o romance, como você disse é mesmo lindo.

Rafa,

Faltou né? Até pensei neles rs Quem sabe eu faça uma segunda parte... rs

Obrigada pelas visitas! Beijos a todos!

Kleiton disse...

Relmente Gabriela...vc está certa...entrar na locadora não é um problema....srsrs...Na verdade, é uma das melhores partes. A gente entra, e na maioria das vezes não sabe com o quê que vai sair de lá. E pra não perder o costume: parabéns de novo...rsrsrs. Abraço

Furquim disse...

Parabens,

Gostei muito do texto, sua escrita esta mais eficiente,,,bjos.

Gabriela Silva disse...

Rodrigo, estou na luta pela tentativa de construir textos menos autorais. Obrigada pelo incentivo!
Beijão!

Wagner disse...

- Ahhh, eu diria que voce mesma é uma comédia romântica..! menina de bom coração, viva, com vontade de viver e de viver só as coisas e claro as pessoas boas..! Eu particularmente, gosto do amor Cult... Mas na prática mesmo, fico nas suas palavras " Uma história de amor, com pitadas de humor e um toque de sensualidade". Mulher de espirito sensível.- escrever é bom né?! escreva, adoro ler... ler-te..! vou passar mais aqui viu?! agora vou dar play no meu Radiohead, e sonhar poesia enquanto remendo a letra da música...
Abs! e muita energia, fé em Deus, e animo, o melhor do mundo, em qualquer lugar, são as pessoas...! claro as boas!!!
W...

Coisas da Vida disse...

Alô!

Magnífica a versão do amor na comédia romântica!!! Eu diria até, brilhante!!! É sem dúvida algum a forma amorosa mais agradável da realidade, ou não fosse eu uma absoluta fã, dentro da comédia, desse género cinematográfico!!!
Caramba!
Geralmente esses romamces começam e acabam bem, porque como disseste - e bem - existe bom senso, ou quando termina não guardamos máguas e ainda nos rimos quando nos lembramos das situações.
Aqui por Portugal estamos no Outono e a coisa puxa para o romantismo; são as côres do dia, o pôr do Sol a chamar o aconchego, o cheiro que paira no ar meio a terra molhada meio a folhas sêcas das árvores . . . Já sabe bem a roupa quentinha :)
. . . Mas à parte de romantismo "outonal", nunca prescindindo da energia revigorante da "Comédia Romântica" ;)

Beijocas Grandes

Flávio Dealmeida disse...

http://verbeat.org/blogs/222/2009/10/de-onde-brota-o-amor.html

:)

Marquinho disse...

Olá Gaby!

Gostei muito de seus textos. Vc tem um poder incrível de "neogislar" realidades.
Saudades!!

Marco Antonio
Ps: Estou a esperar um texto seu há alguns meses....

Gabriela Silva disse...

Wagner,
Obrigada querido. Você sempre muito gentil. Ah, o gênero Cult é bem a sua carinha mesmo! rsrs

Coisas da Vida (que não sei o nome =/),
Obrigada pela visita. E como eu disse no seu blog: volte sempre!

Flávio,
Obrigada por dar o ar da sua graça aqui no blog, visse?!

Marquinhos,
Tô te devendo né?
"Neogislar"... Hmm! Você acha? rs
Saudades também.

Grande beijo a vocês!

Wagner disse...

Pra quem vive feliz, a vida é uma festa. Eu canto, eu danço, jogo capoeira, sem cair, e se cair, seguro o rebolado, desço na negativa, e volto de pé! Pra que desanimar né?! pra que ser triste?! tem tantos genêros por aí, que eu to escolhendo ser feliz! Sei lá talvez eu lance moda, e se a moda pega?! rs... bjão!
W...