19.11.10

Add a new friend

É de praxe dizer que amigos são os irmãos que escolhemos. Alguns nos acompanham por uma vida inteira. Outros tem apenas uma breve passagem em nossa história. Mas, é fato que, como já dizia Tom Jobim, “É impossível ser feliz sozinho”. E ao longo de nossa trajetória, buscamos agregar pessoas com as quais nos identificamos.

A infância e a adolescência são períodos fortemente propícios para ganhar o maior número de amigos possíveis. Frequenta-se diversos grupos e, por isso, acaba sendo mais fácil conhecer gente nova. Na escola, no bairro, no inglês, no futebol, no ballet... Não importa! Onde quer que você vá, sempre acaba conquistando a amizade de alguém.

A faculdade, obviamente, também se encaixa aí. Ao começar a frenquentar esse novo universo, você chega cheio de dúvidas e curiosidades e está doido pra compartilhá-lhas com as pessoas. Nada mais normal que ir formando grupinhos que duram em média o mesmo tempo que você passou por lá. Em alguns casos, existem pessoas que conseguem levar, assim como os da infância e adolescência, amigos dali para a vida toda.

Passados os anos dourados, vamos evelhecendo e nos tornamos mais exigentes e sem tempo. Alguns dos amigos que outrora foram imprescindíveis, parecem não mais se encaixar em nossa rotina cheia de horários, prazos, contas, cobranças. Fica cada vez mais complicado manter aquele contato que é tão significativo para a durabilidade das relações. Inconscientemente,  os velhos amigos vão sendo deixados para trás ou embaixo dos inúmeros compromissos diários de sua tão abarrotada vida moderna.

Fora isso, todos sabemos que a vida é permeada por mudanças. Às vezes, nos vemos obrigados a mudar de país, cidade, emprego, escola, bairro e por aí vai. Em outras, apenas escolhemos mudar nossos conceitos, gostos, conduta pessoal, estilo e por que não, amigos?

Eis que aí,  para muita gente, começa uma nova jornada em busca de pessoas que tenham mais a ver com a vida que se tem levado. Porque, por mais que você ame os amigos que trouxe lá de trás, nem sempre consegue administrar essa amizade. Não raro, vemos amigos magoados pelo esquecimento involuntário ou cobrando uma atenção que você sabe que deve dar, mas não pode. Eu, particularmente, tenho esse problema. Por mais que me esforce, tenho grandes dificuldades para manter laços profundos com quem não se encontra em meu convívio diário. Claro que a gente sabe que nenhum e-mail carinhoso, substitui um abraço de verdade. Nenhuma ligação de 5 minutos cobre sua ausência de semanas ou meses. E apenas um presente de aniversário não apaga o fato de que, você só lembrou do seu amigo, porque olhou no calendário e viu que era aniversário dele.

Às vezes olho ao meu redor e me percebo sozinha. Isso não acontece por causa da incapacidade de conquistar pessoas em minha vida. Pelo contrário, tenho ótimos amigos, construi amizades que trago no coração e creio que nunca irão morrer. Mas, eles estão praticamente todos distantes, em cidades opostas, impossibilitados de dar aquele aconchego bom que, às vezes, só quem nos conhece bem pode proporcionar. Amigos instântaneos não servem para isso. Não soa verdadeiro. Ou soa. Depende muito do seu jeito de fazer novos amigos e confiar nas pessoas.

Mas, e aqueles que não conseguem, como eu. Como ficam? Sem amigos, suponho. Sério, porque não sei vocês, mas para mim o termo “Add a new friend” tem funcionado muito mais na vida “internética” do que propriamente na vida real. Está cada dia mais difícil encontrar pessoas que realmente valham a pena ter uma amizade e isso é muito triste.

Por isso, não pensem que vim aqui dizer que todo mundo deve acabar as velhas amizades para começar novas, cada vez que a vida dá um giro de 180°. Pelo contrário, admiro muito quem tem a capacidade de administrar tão bem seu tempo e sua vida a ponto de conseguir dar toda a atenção que os os reais amigos merecem. Hoje, eu só vim compartilhar o quanto tem sido difícil fazer novos velhos amigos de verdade.

Revisão: Felipe Rui

Essa semana estou um tiquinho atrasada porque tive uns contratempos. Mas, tá aí o texto da semana e espero que gostem. Quando pensei em escrevê-lo, foi exatamente para compartilhar com outras pessoas uma dificuldade que é minha, mas que também pode ser de qualquer um.

Um beijo e até semana que vem! 

P.S. Obrigada a todos que deixaram, de alguma forma, uma opinião sobre o texto da semana passada. Digo sempre e repito, esse feedback é importantíssimo pra mim. =) 

7 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, Gabi! Lindo, assim como os anteriores. E eu sempre lendo... Hahahaha. Primeira vez que comento. Beijão. Fernanda Chini.

Heron disse...

Olá Gabi! Muito bom seus textos! Achei seu blog quando busquei no google 'pessoas efusivas' e não consegui parar de ler!

Parabéns! Já add seu blog hehe. Ótimo domingo!

Petit Gabi disse...

Fê,

Muito bom saber que a senhorita tem visitado o blog. Fico muito feliz!

Beijos!

Petit Gabi disse...

Oi Heron!

Que bacana você ter encontrado o blog! E melhor ainda, não ter conseguido parar de ler os textos. =)
Espero que volte sempre!

Beijos

Mikaele Tavares disse...

Sabe, mesmo nova, eu já fiquei triste pela falta de atenção e já vi pessoas reclamarem por causa da falta dela também..

Amizade ela tem que ser natural e sem cobranças..

Não cobre e nem corra atrás, deixe que seja natural!

Anônimo disse...

O texto é muito bom, mas a vida real é muito pior, infelizmente. digo isso porque muitos desses "amigos" só querem passar em cima de você. Já não confio mais nos valores da amizade. Grato

Petit Gabi disse...

Mikaela,

Concordo contigo... A amizade deve ser levada naturalmente, sem forçação de barra. Assim as pessoas chegam mais fácil e ficam em nossas vidas. Bjs

Anônimo,

Eu sei do que você está falando. Te entendo perfeitamente! Obrigada pela visita.

Beijos