27.11.11

Estrelas em ascensão: como as empresas estão retendo seus talentos.


O mundo empresarial está cada dia mais competitivo. O mercado de trabalho está muito sagaz na busca de novos talentos, principalmente pelo fato da mão-de-obra qualificada, especialmente no Brasil, ter se tornado escassa pela falta de investimentos em educação e preparo profissional. Nesse novo cenário que abrange economia, educação e o âmbito social nos vemos em um processo de maior competitividade entre empresas e pessoas. O primeiro buscando agregar em sua organização os maiores talentos e o segundo correndo contra o tempo para tornar-se apto ao que é exigido.

Durante muito tempo na história, as relações trabalhistas foram baseadas em hierarquia e na massificação do tratamento dado ao elemento humano, enquanto parte da organização. Os focos eram a produtividade, a redução de custos e o melhor aproveitamento da capacidade de trabalho. Não existia a preocupação em entender as necessidades, aspirações e valores humanos de forma individualizada. A maneira de gerir a organização baseava-se apenas no conceito simplista de “manda quem pode, obedece quem tem juízo”, esquecendo-se de dar qualquer outro tipo de suporte além do financeiro. Ou seja, o salário era a única recompensa pelo trabalho realizado, sem qualquer outro benefício, nem vínculos afetivos ou sociais. Nesse aspecto, a relação do empregado com a função delegada a ele era baseada apenas na recompensa financeira, sem espaço para criatividade, inovação e iniciativas, tornando o trabalho mecânico, monótono e pouco produtivo.

Entende-se hoje que, para uma organização funcionar perfeitamente, é de extrema importância compreender que seus objetivos estão interligados com as necessidades daqueles que compõe sua estrutura. Uma empresa não funciona sem funcionários e pessoas sem empregos não estabilizam suas vidas. Por isso, é notável a importância de que as partes entendam as necessidades e deveres de cada um e cumpram suas funções, recebendo em troca aquilo que esperam: a empresa bons resultados e as pessoas realização profissional e pessoal.

É fato que, atualmente, a grande maioria das organizações são focadas apenas em resultados e esquecem que a principal engrenagem para a realização das metas estabelecidas são as pessoas contratadas para as determinadas funções. Por outro lado, existe uma crescente preocupação das empresas em reter os bons profissionais que já estão em seu quadro de colaboradores, e por isso, a gestão dos departamentos de Recursos Humanos tem se tornado uma dos maiores influenciadoras para alcançar o sucesso na relação entre ambas as partes envolvidas no processo.

Para ter um maior êxito na retenção de talentos, o departamento de Recursos Humanos de uma empresa precisa aprender a analisar e compreender a essência humana para uma maior adequação no relacionamento funcionários x organizações. É importate romper os laços tradicionalistas de gestão para buscar entender o que torna um colaborador satisfeito, quando muitas vezes nem ele próprio sabe o que precisa. 

Com tantas mudanças tecnológicas, sociais e econômicas, a incessante busca pelo conhecimento e as grandes exigências pessoais e profissionais, as pessoas nunca estiveram tão incertas sobre aquilo que realmente as tornam felizes dentro e fora do ambiente de trabalho. Salários compatíveis com suas funções, reconhecimento de suas ações, melhores condições no ambiente de trabalho, oportunidades de crescimento através de capacitações, meritocracia, benefícios que proporcionem maior qualidade de vida, relações de trabalho mais afáveis e menos competitivas, metas passíveis de realização, feedbacks, gestores mais acessíveis... São muitas as necessidades a serem supridas e alguém precisa detectá-las e direcioná-las de acordo com cada indivíduo. É preciso reconhecer que a satisfação profissional e pessoal está diretamente ligada a qualidade do trabalho executado, e consequentemente, ao sucesso de uma organização no mundo empresarial. Não há uma forma de desmembrar isso. 

A crescente preocupação com a retenção de talentos, onde agora é claramente percebido que, o capital humano é um bem valioso na criação de vantagem competitiva no mercado, tem levado as organizações a buscar entendimento sobre o que de fato precisa ser feito para mantê-los na empresa.

A administração desses talentos se tornou um desafio para a maioria das empresas que, atualmente, tentam se adequar afim de reter os profissionais qualificados que fazem parte do seu quadro. É a descoberta da importância da gestão de cultura organização como fator de sucesso na busca por resultados.

A gestão estratégica de recursos humanos busca maximizar a administração dos talentos humanos dentro de uma organização, buscando alinhar o potencial de trabalho do funcionário com os objetivos finais da empresa. A mudança na forma de enxergar o capital humano, que antes era visto apenas como custo e hoje é tido como investimento, faz com que o Recursos Humanos tenha um papel primordial nas definições das práticas de retenção de talentos.

Por isso, acredito ser muito importante que as empresas comecem efetivamente a tratar seus funcionários de forma individualizada, se preocupando com suas necessidades tanto quanto s preocupam com resultados. É um longo e árduo caminho, mas creio que haverá um momento que todas chegarão lá.

E você, o que pensa sobre a a gestão da sua empresa com relação aos funcionários. Você se sente ouvido? Ela se preocupa com suas necessidades ou apenas exige que você bata suas metas e cumpra seus horários? Deixe aqui sua opinião e vamos compartilhar as melhores práticas da gestão de recursos humanos.



Revisão: Felipe Rui.
----

Mais uma vez, mudando totalmente o foco dos assuntos tratados neste blog. A vida é assim, sempre surgem novos interesses e acho bacana compartilhar com vocês. Espero que tenham gostado do tema e que participem com suas opiniões a respeito. 


P.S. Não consegui pensar em nenhum título melhor que esse. Sorry!

Um beijo,



2 comentários:

Carminha Silva disse...

Adorei o texto filha.Hoje em dia com a tanta competitividade e ambição entre muitos,boa parte dos trabalhadores de um modo em geral passam despercebidos em seu local de trabalho, que nem não são valorizados pelo que faz.Lógico que é sempre bom ouvir um elogio de vez enquando,mesmo sabendo que temos a obrigação de desempenhar um bom trabalho, mesmo que muitos não exerguem o que as pessoas fazem.E, em minha opinião para que qualquer profissional seja visto e valorizado ele terá que passar por uma boa formação e para que também ocorra de fato os formadores de opiniões que são em sua grande maioria os professores deste país,eles deveriam também receber mais preparo e ser mais valorizados para poder transmitir o ensino aprendizagem de uma forma que todos saiam ganhando neste contexto.E, se isso não ocorra teremos cada dia mais professores e profissionais frustados e infelizes fazendo seu trabalhao sem tesão e ai tudo continuará do mesmo jeito que se encontram na atualidade.

Carminha Silva disse...

Comentários feito por Carminha.