23.6.11

E se Deus fosse um de nós?

Quando estou sozinha, perdida em minhas aflições, com uma interminável lista de perguntas sobre aquilo que não consigo compreender. Eu penso em Deus. Quando meu coração está partido pelas mazelas do mundo e não há nada que esteja ao meu alcance para resolver isso de imediato. Eu penso em Deus. Quando eu não aceito o que acontece de errado em minha vida e eu não tenho ninguém a quem culpar. Eu penso em Deus. Quando eu compartilho meus melhores momentos com aqueles que amo e não sei a quem agradecer por tantas dádivas recebidas. Eu penso em Deus.

Pensar ou crer em Deus, não está ligado a nenhum tipo de religião ou crenças impostas por dogmas e leis humanas. Nem te obriga a seguir nenhum mandamento bíblico. Muito menos a ter que ir a cultos e missas aos domingos. Pensar ou crer  em Deus está ligado a fé. Ao invisível. A algo que nunca poderemos ver e tocar.  Apenas sentir.

A ciência está cheia de provas da inexistência de Deus. A Bíblia é um livro que foi escrito e reescrito pelas mãos humanas, está repleto de falhas incontestáveis. As igrejas estão cheias de pessoas que mentem e manipulam em seu benefício próprio. Mas ainda assim, é preciso ter fé em alguma coisa.
Se Deus fosse um de nós, será que Ele conseguiria entender a fundo a dor sentida por um gay excluído por ser apontado como um ser diferente dos demais? Se Deus fosse um de nós, Ele entenderia que transar com camisinha é totalmente compreensível em um mundo repleto de doenças sexualmente transmissíveis? Se Deus fosse um de nós, será que ele levaria para casa todos que estão nas ruas passando fome e frio, sem julgá-los pela sua incapacidade de prosperar na vida como todo o resto?  Se Deus fosse um de nós, será que ele abriria mão de seus próprios interesses em prol de uma Política limpa que beneficiasse os países? Se Deus fosse um de nós, será que Ele perdoaria aqueles que não acreditam em sua existência, sem condená-los ao eterno fogo do inferno? Nunca vamos saber. 
 
Deus é visto de acordo com a ideia que cada um tem dele. De sua existência ou inexistência. Não importa se você é católico, evangélico, budista ou ateu. Você sempre verá Deus à sua maneira. E essa é a forma correta, porque Deus não é um ser que está sentado sob um trono, apontando sua lupa sob o sol para nos queimar aqui na Terra. Deus é quem você quiser que Ele seja.

Acreditar ou não em Deus não faz nenhuma diferença. Porque o que conta de verdade é que você tenha a que se apegar. O mundo e a nossa vida estão cheios de fardos pesados demais para carregarmos sozinhos. Em diversos momentos não suportamos levar sob nossos ombros o peso da dor, da desilusão, da solidão e da falta de ter em que acreditar. É preciso se apegar a algo. É necessário criar vínculos com aquilo que consideramos sagrado. Senão, seremos apenas parte de um nada que compõem um todo vazio.

Eu acredito em Deus. E isso me faz feliz. Busque acreditar no que te faz bem e, certamente, você será feliz também.

Revisão: Felipe Rui 

---

É isso, galera! Faz tempo que não posto nada e na verdade não ando muito inspirada. E esse parece um texto feito por alguém muito ruim em redação, mas é o que sinto.  De qualquer maneira, espero que isso faça sentido para mais alguém além de mim.


5 comentários:

Ronaldo disse...

Muito bom! Só gostaria de colaborar com algo: Mesmo que existam várias interpretações sobre Deus, Ele sempre será o que Ele é. O que Ele faz é permitir que quem quiser conhece-lo, o conheça, quando alguém faz isso, fica completamente supreendido sobre a sua visão pessoal de Deus.

Matheus Farizatto disse...

Petit! Não menospreze seu texto. Me agradou muito. Escrever com o coração nunca soa como escrever mal.

Apesar da emoção, você colocou tudo de uma forma muito sóbria. Adorei.

"Busque acreditar no que te faz bem e, certamente, você será feliz também" – SEN-SA-CIO-NAL!

Um beijo enorme.

Pâмєℓα disse...

Esta é a única verdade que também sei, - que existem diferentes verdades. São poucas as pessoas que conseguem enxergar isso de maneira clara e ainda expor em um texto.

Muitos buscam ter uma religião muitas vezes para fugir de um caminho de pecado e ter a sonhada salvação com medo do que acontecerá ao contrario. Enfim, ainda bem que existem várias religiões, e que cada um escolhe a melhor para sua maneira de viver, que lhe agrade, que lhe faça bem, e de acordo com o melhor encontro com sua personalidade. Mesmo que não consiga se provar a veracidade de algumas ideias religiosas, se sentem bem independe disso, - apenas com sua fé no que acredita. Respeitar a verdade de cada um, e o que pensam sobre isso é o que há de melhor a se fazer.

Acredito em Deus e tenho minha prova disto, nesta fé que também mantém muitos vivos, - mas não em religiões.
Adorei o texto, - muitas vezes a falta de inspiração nos traz algo sem que percebamos e simplesmente escrever já indica sentido, se tornam boas postagens, - como já escreveu. =)

Felipe disse...

"Todo mundo tem que acreditar em alguma coisa... eu acredito que vou tomar outra cerveja."
- W. C. Fields

Petit Gabi disse...

Nossa, gente... Nem tinha visto os comments de vocês. Não recebi nada nomeu e-mail avisando, como de costume. =/ Adorei todos! É sempre muito bom receber esse feedback. SEMPRE!
E Felipe, como você é engraçadinho, né moço? hahaha

Beijos!