25.5.12

The past is gone!

Quase todo mundo já teve um “ex” na vida. E sim, o que se passou em relacionamentos anteriores costuma ser uma das maiores causas de discórdia entre casais. Mas por que a gente se apega tanto a detalhes de uma vida que já passou?

Lembrar que a pessoa que a gente ama já nutriu sentimentos por outro alguém e desejou outro corpo é um tanto quanto desconfortável, não há como negar. Isso causa medo, ciúmes, dor, mágoa e afins. É natural que, por puro e simples instinto de competitividade, a gente acabe criando uma disputa boba com o passado do nosso parceiro. Porém é necessário entender: até que ponto o (a) ex é realmente uma ameaça?

Ilustração: Mig caphona

Muitas vezes a pessoa que está com a gente deixa escapar (ou faz de propósito) alguns detalhes sobre seu passado amoroso. A gente mesmo faz isso de vez em quando, para se gabar, fazer uso da comparação ou para lembrar ao outro sobre o que a gente não quer que se repita. Nesse ponto de troca de informações é importante saber diferenciar “o que foi” do “que é”.  O (a) ex ainda é alguém relevante? A relação que vocês vivem é sólida? Alguma coisa ficou mal resolvida naquele passado? Você confia no seu par? Esses e outros questionamentos são decisivos antes de resolver fazer tempestade em um copo d’água, quando o (a) namorado (a) recebe um sms ou um recado no Facebook do (a) ex, por exemplo.

Ter ciúmes é normal, faz parte do ser humano. Mas saber dosá-lo e direcioná-lo para o que é realmente significativo faz muita diferença. Aceitar que as vezes a relação anterior do parceiro acabou em uma boa amizade é sinal de maturidade. Ter um ataque paranóico sempre que o nome do (a) ex surgir na conversa é pura tolice. Saiba separar as coisas. Aliás, aprenda respeitar a individualidade e o direito dele (a) escolher com quem manter laços. Tenho certeza que isso vai poupar você e ele (a) de muito constrangimento e DR’s desnecessárias.

O mais engraçado de viver fuçando o passado é que as vezes a pessoa que está com você nem lembra da última relação por si só. Você, com suas crises de ciúme, é que acaba o (a) levando a reviver a antiga história de amor. E isso é muito ruim para sua relação! Por isso, não transforme aquela pessoa que já passou pela vida do seu atual relacionamento em um potencial rival. É possível que você acabe conseguindo uma boa disputa de verdade.

Aposto que você não quer isso, certo? 
O passado vai continuar existindo, não se pode apagá-lo e nem fingir que não aconteceu. Pelo bem de seu relacionamento, aprenda a conviver com ele. Ou procure alguém que nunca teve um (a) namorado (a) ou affair na vida.

*Revisão: Felipe Rui

Beijos,


Um comentário:

Coisas da Vida disse...

Está muito interessante o que escreveste. :)
As pessoas quando partem para uma relação sem estarem resolvidas interiormente, buscam muitas vezes na vida passada do atual companheiro pontos em que possam sentir-se seguras ou o contrário de acordo com o que se habituaram a viver. Há pessoas que só sabem viver infelizes, porque nunca tiveram relações minimamente gratificantes, outras tiveram relações que o controlo estava na ordem do dia, fosse de que parte fosse, já para não falar das traições.
Mas independentemente das relações do passado de cada uma das partes, é importante que a relação tenha uma forte componente de amizade, e não apenas paixão, porque a amizade torna o casal cúmplice, unido e mais compreensivo, não necessitando de "desenterrar mortos".
As pessoas devem viver, sempre que consigam, no presente, o passado é isso mesmo, passado!

Beijocas para ti :)